Review: Sapphire RX560 Pulse - 1080p low cost?
Excelente PreçoBoa performanceDimensões reduzidas
Um pouco ruidosaPerformance DX12 aquém do esperado
81%Overall Score
Performance 80%
Consumo80%
Ruído70%
Preço95%

A AMD enviou-nos uma das suas placas gráficas da recente linha, a RX560. O foco desta é oferecer uma performance competitiva a 1080p, sem sacrificar em demasia a qualidade gráfica, tudo mantendo a um preço acessível para quem queira montar o seu PC para jogar os mais populares jogos online do momento, e sem ter de assaltar nenhum banco ao estilo do Payday.

A RX560 surge com um preço a competir com a GTX1050 da Nvidia, mas pela performance que podemos testas, a RX560 aproxima-se mais da GTX 1050Ti, que propriamente o seu modelo básico.

RX560 1

Design e Especificações da RX560

Em termos de design, trata-se de uma placa de dimensões relativamente reduzidas, ideal para colocarem num sistema mATX ou mini-ITX. E mais pequena que a GTX1050Ti que analisamos anteriormente, uma vez que apenas possui uma ventoinha.

A carcaça do cooler lembra bastante um carro futurista, ao estilo Wipeout, com linhas vermelhas e o desenho da pulsação, que lhe dá o nome.

Na lateral, possui 3 conectores, DVI, HDMI e Display Port, assim como uma grelha para saída do ar. Foi algo que gostei bastante, uma vez que a maioria dos modelos de placas gráficas mais acessíveis não costuma ter tantas ligações.

No que toca a especificações temos:

RX560 table

Das especificações, de salientar o consumo máximo anunciado de 85 W, que é bastante aceitável numa placa deste tipo. Também a memória de vídeo de 4 GB, o que é muito bom para jogos alvo desta placa. E a performance em computação de 2.6 TFLOPS, que é um valor bem acima da PS4 e Xbox One.

Estas especificações deverão ser suficientes para aguentar a maioria dos jogos com as mesmas definições das consolas, mas melhor performance.

Performance em Jogos

Experimentei diversos jogos com a RX560, incluindo alguns dos jogos online mais populares do momento. E posso dizer-vos que a RX560 se portou bastante bem em todos eles, sendo que nalguns foi possível mesmo jogar com as definições todas no máximo.

rx560 graph

Olhando para o gráfico, percebemos facilmente o bom comportamento desta RX560 na generalidade dos títulos testados, com destaque para o Battlefield 1.

BF1 é um jogo relativamente exigente mas que correu sem qualquer problema nas definições médias, que em nada comprometem a experiência, mas torna-se bastante jogável. Ainda que tenha sido necessário jogar em modo DirectX 11, uma vez que em DX12 tive muito mais quedas de FPS, o que demonstra que a API ainda precisa de bastante afinação.

Overwatch também conseguiu um bom valor, com a placa a conseguir corrê-lo a uma média de 100 FPS em High. Isto significa que se tiverem um monitor de 120/144 Hz, deverão conseguir alcançar esses valores e aproveitá-lo ao máximo.

Rocket League também correu sem qualquer problema, apenas deixei o Vsync ligado uma vez que o jogo fica bastante instável sem ele, mesmo que esteja sempre acima das 60 FPS, qualquer queda gera soluços muito chatos.

RX560 2

Doom 2016 veio demonstrar que a API Vulkan parece ser o futuro no que toca a API, sendo que oferece ganhos de performance enormes face ao OpenGL e DX12. Com as definições em High, foi possível jogar a uma média de 70 FPS, mas curiosamente, nas definições máximas, o jogo nunca caiu para baixo das 40.

Counter Strike GO é um dos jogos mais populares no PC, e neste é extremamente importante atingir o máximo de FPS possível. Aqui, com tudo ao máximo foi possível alcançar uma média de 160 FPS, pelo que com as devidas afinações podem chegar às 300 FPS sem qualquer problema.

Insurgency também é um jogo no motor Source, mas possui mais efeitos que Counter Strike, o que não influenciou em praticamente nada visto que com tudo ao máximo foi possível corrê-lo a 130 FPS.

Por fim um jogo mais pesado, GTA V, experimentei correr o GTA Online que costuma pesar mais que o modo single player e fiquei muito satisfeito com o resultado. Com as definições em Very High e as definições avançadas desligadas, foi possível corrê-lo a uma média de 55 FPS, sendo que corria a 60 praticamente fixos nas cidades e com algumas quedas para 45 fora delas.

Vendo estes resultados, diria que é possível jogar a maioria dos títulos disponíveis no mercado, desde que estejam dispostos a comprometer algumas definições gráficas, por maior performance.

Radeon Chill

No que toca a temperaturas, a placa nunca passou dos 75ºC, o que não é nada mau tendo em conta que se trata de um modelo com apenas uma ventoinha. No entanto, para manter estas temperaturas, a velocidade da ventoinha foi maior e, consequentemente, o ruído, que tendo em conta o tamanho reduzido da ventoinha, se tornou um pouco incómodo.

Para ajudar a evitar isto, a RX560 vem com uma tecnologia inovadora, chamada Radeon Chill, que permite à placa reduzir o seu consumo sempre que deteta uma fase mais calma no jogo.

Dando como exemplo Overwatch, uma vez que a placa consegue correr o jogo acima das 100 FPS, existe alguma margem de manobra, visto que a placa não necessita de consumir mais energia para aumentar as FPS, ou seja, não está em esforço.

radeon chill 2

Assim, um algoritmo vai detetar quando o vosso jogo está numa situação na qual não seja necessário aumentar as FPS, reduzindo o consumo.

Este algoritmo permite que uma melhor sincronização das frames entre a GPU e o CPU, colocando-as em fila e aumentando ou reduzindo o tempo que demora a enviar as frames para o ecrã.

Caso tenham um monitor com suporte a Freesync, conseguem tirar ainda melhor partido desta funcionalidade, uma vez que o tempo de resposta nesse caso já é mais reduzido, por definição.

Apesar de não ser compatível com todos os jogos, a lista de jogos compatíveis com o Radeon Chill é bastante extensa para uma fase inicial, encontrando-se nela a maioria dos jogos competitivos e muitos AAA famosos.

radeon chill

Durante o tempo que usei a placa com o Radeon Chill ligado, reparei que a temperatura era ligeiramente mais baixa, mas nada de astronómico. Ainda assim, foi o suficiente para reduzir a velocidade da ventoinha naqueles momentos em que o som do jogo não me distraía, tornando o ruído da placa mais suportável.

Apenas tenham em atenção que esta definição não vem ligada, sendo necessário ativá-la no painel da AMD.

Conclusões

A RX560 é uma boa placa para quem quer montar um PC capaz de correr os jogos mais populares, mas sem ter de gastar um balúrdio. A placa custa à volta de 116€ na PCComponentes, pelo que é um excelente valor a ter em conta.

Podem fazer um PC bem porreiro com um orçamento baixo se juntarem esta placa a um dos novos AMD Ryzen, ainda para mais com os novos Ryzen 3, ou com um Ryzen 5 ou Intel i5 caso queiram algo mais robusto.

Diria que as principais razões para optarem pela RX560 passam pelo upgrade caso tenham uma RX360 ou inferior, caso venham da AMD ou, se tiverem uma GTX950 ou inferior, caso venham da Nvidia.

Caso contrário, se quiserem mesmo fazer um upgrade, devem escolher um modelo mais potente e, consequentemente, mais caro.

No more articles