Review – eFootball PES 2020

O bom
Jogabilidade Realista
Ferramentas para eSports
O mau
Poucas novidades
IA inconsistente atrapalha mais do que ajuda
70

Chegamos a Setembro e com ele o início da época de futebol virtual. Se FIFA 20 sai daqui a umas semanas, PES 2020 dá o pontapé de saída daquilo que será mais um ano de muitos golos.

PES 2019 foi, na minha opinião, uma das piores entradas na série devido a diversos elementos de gameplay que, simplesmente, não me agradaram.

PES 2020 é um jogo um pouco estranho. Existem momentos que são capazes de vos arrancar da cadeira em verdadeiro êxtase e existem outros que são capazes de vos arrancar da cadeira com vontade de esmurrar alguém.

Mas vejamos as novidades e o que PES 2020 trás de bom e de mau.

Poucas novidades no que toca a modos de jogo

Os modos de jogo em PES 2020 mantêm-se praticamente intactos. MyClub é a resposta a FIFA FUT mas simplesmente não possui os mesmos argumentos. Existem várias restrições no que toca a táticas, que são bloqueadas ao treinador que têm disponível.

Se não gostam de jogar contra humanos online, como é o meu caso, podem sempre “farmar” jogos online simulados, o que tira bastante a piada ao jogo mas nesta altura em que todos os jogos requerem algum tipo de grind, qualquer hipótese de otimizar o trabalho é bem-vinda.

No entanto existem algumas mecânicas que são bastante interessantes no MyClub. Para começar, o facto de poderem recrutar jogadores através de agentes ou olheiros.

Os agentes é a típica lootbox disfarçada, onde cada classe de jogador (bronze, prata, ouro ou preto) tem uma probabilidade diferente de sair. Felizmente, não podem obter jogadores bronze nestes agentes e as bolas pretas são bastante mais fáceis de obter que em FUT, com uma probabilidade de 10% ou garantido se comprarem jogadores suficientes das caixas especiais, que possuem um número limitado de jogadores.

O facto de os jogadores virem a nível 1 e poderem subir de nível através de treinadores de experiência, ou simplesmente por jogarem com eles dá uma sensação de que o jogador que obtiveram, cresce convosco e vai ficando melhor há medida que o utilizam.

Outro modo disponível é o clássico Master League. Neste modo podem começar com uma equipa genérica ou com uma já existente.

Este ano, podem escolher um de vários treinadores que incluem Maradona, Roberto Carlos, entre outros. Ao longo da época vão existir certas cinemáticas bastante simples que podem levar a escolhas, mas não notei que alterassem alguma coisa no fluxo do jogo.

Ao criarem a vossa Master League, estejam atentos às opções uma vez que existem algumas que não podem ser alteradas depois, como a moeda que vem em Iene por definição. Se jogarem MyClub, podem importar os jogadores especiais, como Lendas para a vossa equipa Master League, o que é algo bastante útil e permite ter excelentes jogadores sem gastar dinheiro.

Também podem criar o vosso próprio jogador no modo Become a Legend, mas sinceramente este modo não sofreu qualquer alteração desde a primeira iteração, com os problemas do costume a estarem presentes, como o facto de não conseguirem correr mais que 45 minutos, os vossos companheiros não vos passam a bola e quando são substituídos, começam a sofrer golos.

O outro modo de relevo é o eFootball, que está presente no nome do jogo e é a tentativa da Konami de introduzir PES aos eSports.

Para isso, este menu possui várias ferramentas que permitem rapidamente jogar online, criar um torneio e as condições dos jogos, mas é algo que não vai ser utilizado pela maioria dos jogadores uma vez que vão passar a maioria do tempo no MyClub, Master League ou Become a Legend e, especialmente o MyClub, já permite jogar online.

Aliás, diria que os jogadores verdadeiramente hardcore de PES 2020 nem sequer vão passar do MyClub, visto que não existe qualquer vantagem em jogar os outros modos de jogo. Seria interessante ganhar GP e PES Coins nos outros modos que poderiam ser usados no MyClub, tornando o vosso tempo de jogo em algo útil, independentemente do que joguem.

Jogabilidade Realista (talvez até demais)

PES 2020 tem a especial habilidade de conseguir fazer qualquer um dos vossos jogadores parecer um cepo. PES 2020 tem a especial habilidade de conseguir fazer qualquer um dos vossos jogadores parecer uma estrela. Tudo depende do pixel com que acertam na bola.

A jogabilidade de PES 2020 é, sem dúvida, a mais realista da série até agora. A forma e postura com que os jogadores correm, especialmente os mais conhecidos, é imediatamente reconhecível e parece mesmo que estão a ver um jogo de futebol na TV.

No entanto este pássaro vem com água no bico e isso traduz-se na inconsistência e aleatoriedade que são introduzidos no jogo.

Para começar, a maioria dos jogadores parece que tem pés de chumbo e não conseguem mudar de direção rapidamente. Eu com mais de 100Kg consigo fazê-lo, mas um jogador profissional com quase metade do meu peso não o faz.

Depois, existe a IA que é absolutamente burra, talvez ainda mais que em PES 2019. Vão constantemente contra vocês e uns contra os outros, ignoram os jogadores adversários, metem-se à frente dos vossos passes e remates ou simplesmente fazem simulações e deixam a bola seguir para ninguém.

O ataque é, sem dúvida, a melhor parte da jogabilidade. A bola tem peso e comporta-se de forma realista. Os remates, quando são bem colocados, não dão qualquer hipótese de defesa e não existe uma espécie de íman que a desvia para o guarda redes. Se souberem rematar em PES 2020, não existe defesa que aguente.

Os passes são um sentimento misto. É possível fazer um verdadeiro tiki taka, mas muitas vezes o “assistente” passa a bola para o jogador errado, muitas vezes em posição irregular ou prestes a ser antecipado por um adversário. A maioria dos jogadores não consegue fazer um passe à meia volta ou uma receção orientada de um passe, levando muitas vezes a perdas de bola que não aconteceriam na vida real.

Algo que sempre me fez confusão no PES, e em certa medida, no FIFA é o facto de jogadores profissionais, que fazem do futebol a sua vida, não conseguem aguentar 90 minutos em campo sem ficarem de rastos e, ao fim de 2-3 jogos, possuem a stamina quase no vermelho. É também comum ver lesões em jogadores que estão no vermelho, o que praticamente vos obriga a guardar uma substituição até quase ao fim do jogo.

A nível de táticas, não foge muito do que já se viu em jogos anteriores da série, com a possibilidade de criar vários perfis que podem alterar durante o jogo, conforme o vosso objetivo. Existem também várias opções durante as bolas paradas, que permite controlar e posicionar os jogadores para maior eficácia.

Gráficos, Som e performance

Graficamente, PES 2020 é bastante bom, apesar de não existirem grandes alterações em relação ao ano passado. Os modelos dos jogadores parecem quase matraquilhos quando os veem a primeira vez, mas passado esse impacto inicial deixam de os estranhar.

As caras dos jogadores, especialmente dos mais conhecidos, estão espetaculares e bastante foto realistas, mesmo que durante as repetições não mostrem grandes expressões faciais.

As opções de câmara são um pouco estranhas, uma vez que existem perfis que são diferentes dependendo do modo. Por exemplo, o perfil Stadium possui um ângulo e zoom diferente no MyClub e na Master League.

A nível de performance o jogo corre extremamente bem, a 60 FPS em todo o jogo, incluindo nas cinemáticas e bolas paradas.

A banda sonora não é propriamente do meu gosto, pelo que pode agradar ou não a outras pessoas. Seria engraçado ter uma integração com o Spotify ou outro serviço do género dentro do jogo.

Conclusões

PES 2020 é sem dúvida melhor que PES 2019. No entanto não é um jogo perfeito e é capaz de vos causar tantos momentos de frustração como momentos de alegria. Diria que esta inconsistência na experiência é o seu ponto mais negativo.

Existem também poucas novidades nos modos de jogo e as ferramentas de eSports não são algo que seja cativante para o jogador comum, mas não deixa de ser um ponto positivo tornar isto mais acessível para quem gosta de juntar amigos em Lan Party e passar um bom bocado.

Gostava de voltar a pegar num PES como aconteceu há uns meses e joguei PES 6 na PS2 como se nunca tivesse deixado de jogar. É esse tipo de consistência e familiaridade que gosto de ver num jogo de futebol e neste momento, para o bem e para o mal, apenas FIFA é capaz de oferecer.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Final Score