playerunknowns battlegrounds pubg

PUBG mais que um jogo, um serviço para a Microsoft

O survival Playerunknown’s Battlegrounds é um dos maiores sucessos dos últimos tempos, prova disso são os seus números que não param de crescer.

Com mais de 30 milhões de vendas em sete meses na Steam, PUBG é atualmente um dos principais jogos online e não uma mera alternativa. O jogo segue o estilo de ARMA, mas consegue atrair mais adeptos.

Este sucesso leva muitos a pensarem no que estará para vir…

Mas o maior responsável do estúdio Bluehole, que desenvolveu Playerunknown’s Battlegrounds, põe de lado a possibilidade de uma sequela.

Brendan Greene disse em entrevista à IGN que não está programada qualquer sequela como um PUBG 2 quando questionado sobre essa realidade nos próximos 5 anos.

Segundo Greene, a aposta para Playerunknown’s Battlegrounds passará pelo modelo de serviço, em que o estúdio Bluehole e a Microsoft trabalharão em updates e formas de inovar, com patches ao longo do tempo.

O jogo foi lançado em Março para PC, em acesso antecipado no Steam, e agora no final de 2017 está a chegar às consolas. Greene diz que existem ainda planos para lançar uma versão física do jogo no mercado.

Poderemos contar então, além da versão digital, com uma versão em disco para a Xbox One que os jogadores poderão comprar nas habituais lojas, mas tal ainda não tem uma data em concreto.

O trabalho do estúdio nos próximos anos passará pela melhoria de vários aspectos de como o jogo está atualmente, como adicionar novos mapas e equipamentos. e melhorar e optimizar a jogabilidade do mesmo, com o tempo.

Apenas apontam para o final de 2017

Assim sabemos que a curto-médio prazo não teremos um PUBG 2, sendo que os criadores deste jogo irão trabalhar para refinar e expandir o primeiro jogo. Seguindo um modelo de um serviço, semelhante ao que tem sido feito, também pela Microsoft, com o Minecraft por exemplo

 

Nutella Man

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *