Análise ao LG Q6, o tipo parecido com o G6 (Review)
Design na linha do G6Ecrã FullView com proporção 18:9 ou 2:1
Falta de sensor de impressõesA traseira ganha riscos facilmenteProcessador vs Preço
80%Overall Score
Design88%
Ecrã84%
Rendimento74%
Câmaras71%
Sistema84%

LG Q6, é dificil não confundir com o LG G6, já visto aqui e que apesar do lançamento em forte dos novos iPhone, continua a ser um dos melhores de 2017 para nós. Mas este LG Q6 insere-se numa gama especial, acompanhado do LG Q8 que vos trarei no futuro.

Estes LG Q foram lançados no verão, e com um objectivo claro, espalhar o melhor do LG G6 pelas diferentes gamas, ou tentar. Estes dispositivos, e em especial o LG Q6, têm algumas dos melhores aspectos do flagship da companhia lançado na MWC em Barcelona.

Mas será uma boa aposta manter esses aspectos, sacrificando outros para tornar o dispositivo mais barato? E o preço poderá bem ser o factor de desempate no final, visto que o LG Q6 se encontra à venda no mercado por valores em torno dos 250€, uma gama bastante concorrida.

Unboxing e Primeiras Impressões

Ou seria, se tivessemos recebido o nosso dispositivo de teste com a caixa original. Mas saltemos o unboxing, que na verdade pouco importa para a conclusão, apenas serve para regalar os olhos.

O LG Q6 será facil de confundir com o LG G6, não só pelo nome, e digo-vos que muitas vezes os troquei ao escrever este artigo, mas pelo aspecto, para os mais distraidos.

Este dispositivo respira LG Q6, tal como o seu irmão LG Q8, se não ligarmos à troca de vidro por plástico atrás, temos os cantos redondos e ecrã maior de 5,5″ com uma proporção 18:9.

Tirando a vista do ecrã, temos na parte inferior o microfone, o jack 3.5mm, que ainda vive na gama média felizmente, e a porta micro-USB, que não é mal vista aqui do meu lado pois ainda tenho vários cabos e carregadores para usar nela. Dos lados, temos o botão power à direita, e à esquerda encontramos dois botões +/- para o volume.

O ponto negativo vem na parte de trás, onde temos a coluna. Uma opção que a LG tem tomado já há uns anos, e que ainda não consegui entender.

LG Q6

Voltando ao tamanho do ecrã, são mesmo 5.5″ num dispositivo com menos de 15cm de comprimento. É o fantástico FullView, o ecrã parece demasiado grande para o dispositivo que acaba por assentar tão bem na mão.

Para a nossa análise recebemos o modelo dourado do LG Q6, ou Terra Gold, sendo que podem ainda optar por outras três cores. Em termos de construção é um dispositivo sólido, que não parece que se vá desfazer ao cair, mas confesso que não tive chance de testar isso.

E quanto à imagem da marca, é bastante subtil, temos o LG da companhia na frente na moldura reduzida inferior, e atrás o Q6, também muito subtil. O que muito sinceramente, é um ponto positivo visto que não gosto de exibir claramente marcas/imagens.

Resumo das Especificações
Ecrã 5,5″ IPS LCD
Resolução 1080 x 2160 (18:9)
Dimensões 142.5 x 69.3 x 8.1 mm
Peso 149 g
CPU Snapdragon 435
Sistema Android 7.1
RAM 3 GB
ROM 32 GB
Câmara Principal 13 MP, f/2.2, autofocus, LED flash, tamanho de sensor 1/3″
Gravação de vídeo [email protected]
Câmara Secundária 5 MP, f/2.2, tamanho de sensor 1/5″
Bateria 3 000 mAh
Cores Astro Black, Ice Platinum, Mystic White, Terra Gold
Preço ~250€ na Amazon ES, conforme a cor

No dia a dia

Confesso que, já tendo experimentado o LG G6 no passado, soube muito bem usar o LG Q6 muito graças ao design que foi uma das coisas que me cativou mais no flagship. A utilização também não desiludiu muito, visto que o sistema é igual entre os dois dispositivos, com uma versão da LG do Android 7 bastante limpa.

Verdade que o processador Snapdragon 435 parece fraco à vista, mais quando notamos que a concorrência tem melhores motores debaixo da capota dos seus dispositivos neste preço. Mas aliado a 3 GB de RAM e a um sistema bastante fluido, são poucas as vezes que sentimos falta de mais poder.

LG Q6

AnTuTu / GeekBench 4 / PCMark Benchmarking

Situações de multitarefa são definitivamente o principal momento em que desesperamos por mais. O Android 7 e a UX 6 da LG são fulcrais na optimização deste sistema. Apesar do uso em multitarefa não ser o ponto forte deste processador, é definitivamente onde o ecrã FullView é melhor aproveitado, sendo que podemos dividir o ecrã em duas partes iguais 1:1 para usar duas aplicações diferentes.

E olhando melhor para este ecrã, temos mais uma vezes comprovado que a LG sabe o que fazer em termos de paineis. O ecrã apresenta bons níveis de cores e contrastes. E os ângulos de visão são muito amplos, o que pode ser bom para partilhar o que estamos a ver ou…alguém espreitar o que estamos a ver?

Falando de ver, ouvir também é importante. E no LG Q6 talvez a melhor opção seja manter os headphones ligados, e aproveitar aquele jack 3.5mm enquanto ainda existe na gama média. A coluna que o dispositivo traz não é a melhor coisa, a começar pelo seu posicionamento infeliz como já vimos, mas também pela qualidade que não é a melhor.

LG Q6

Outro corte no LG Q6 é no sensor de impressão digital, que a LG tenta compensar com o reconhecimento facial. Ainda que pareça boa ideia, não é perfeita. O iPhone X trouxe o reconhecimento facial para as bocas do mundo, mas é algo que já anda nos smartphones há uns anos. Só que não é tão bom, e o deste LG Q6 é um exemplo disso.

Ora demora a reconhecer, ora falha a reconhecer o rosto, ora pode fazer o reconhecimento através de uma foto 2D. Mas será? Este ultimo ponto é uma das criticas…das más linguas parece.

Tanto quanto pude testar, o Q6 assumiu sempre desconhecer o rosto da fotografia minha que lhe mostrava. Mas tentei apenas com fotografias digitais, selfies neste caso, fosse por outro smartphone ou mesmo maior, num ecrã de computador. Não experimentei com uma foto impressa…quem é que ainda imprime fotos hoje em dia?

LG Q6

Mas isso à parte, notei alguma dificuldade com diferentes tipos de iluminação, pelo menos quando mais reduzida. Verdade que podemos sempre ir melhorando o reconhecimento, fazendo-o em diferentes ambientes, e com isso consegui melhorar o sistema um bocado nos dias que tive o dispositivo. Recorri ao melhoramento sempre que tive erro no reconhecimento, e esses erros foram diminuindo.

Quanto ao ecrã, o destaque vai mesmo para a proporção deste com 18:9. Continua a ser fantástico ver videos num ecrã deste tipo, e pessoalmente até acho graça aos cantos arredondados.

Infelizmente, para mim, o corpo mais estreito e alto torna mais dificil a escrita no teclado de origem da LG. Mas seguramente que será uma questão de hábito que em poucos dias não chega para ultrapassar.

E a bateria LG, a bateria!?

Costuma ser um dos pontos fracos para dizer a verdade, e ver 3.000 mAh aqui não abona muito em favor do smartphone. Verdade que durante o período à experiência nunca fiquei apeado, sem bateria. Mas também porque sempre que atingia os 50%, geria melhor o uso, reduzindo-o.

LG Q6

Exemplo de primeiro uso

Ou seja, para aguentar o dia todo, ou até chegar a casa, precisava de controlar mais os impulsos de ir ver notificações, horas, ou simplesmente queimar tempo no instagram.

Fora isso, a bateria aguenta bem um dia passado em troca de mensagens, quatro séries de anime e algum tempo de música.

Notei especialmente que a queda dos 80 para os 50% acontecia de forma bem mais rápida que dos 100 aos 80%.

Muito LG G6, mas a câmara…

É algo banal neste dispositivo. Em comparação com o LG G6 é notória a perda de qualidade e funcionalidades.

O LG Q6 vem equipado com uma câmara atrás, de 13 MP e aperture f/2.2. Perdendo um sensor e qualidade geral na comparação com o G6.

LG Q6

O maior problema? A velocidade da câmara, nem sempre responde a tempo, e acabamos por perder algumas oportunidades de fotografia, ou uma sequência destas.

Vejam algumas das fotos no nosso album

Isso também acaba em algumas ocasiões por influenciar o resultado final, como uma foto desfocada pelo movimento. Com um obturador mais lento, esta demora mais a capturar a imagem, e qualquer movimento durante pode borrar a pintura… E para tentar alguma macro, é para esquecer, visto ser muito dificil focar próximo dos objectos, algo onde a distância focal mostra ser curta.

No geral, quando temos sucesso, as fotos tiradas sob boas condições são aceitáveis mesmo, com bons níveis de cores e alcance dinamico. Mas a diferença é notória quando a luminusidade diminiu, capturando muito ruido.

A câmara frontal também não se destaca. Com 5 MP e os mesmos f/2.2, o resultado fica áquem das espectativas nas selfies. Mas servirá…talvez.

Quanto ao software, é relativamente básico quando comparamos com outros, e mesmo o LG G6. A LG já mostrou capacidade de criar um bom software para a câmara, infelizmente decidiu cortar para este dispositivo onde não temos um modo manual, ou pro, para controlar melhor as definições de fotografia.

O LG Q6 vale a pena?

O LG Q6 tenta muito ser o LG G6, o que nem é mau pois até é o objectivo, e é um bom dispositivo a ter como guia. Salta à vista o design, apesar da troca de material na parte traseira, e claro o ecrã maior com cantos arredondados.

A bateria de 3.000 mAh já é algo que podemos tomar como standard nesta gama, onde alguns concorrentes chegam aos 4.000 mAh, tal como os 3 GB, que sendo um standar, já vão perdendo espaço para os 4 GB.

Com o Snapdragon 435 num dispositivo a 250€, seria de esperar que a LG tivesse procurado destacar-se noutro aspecto muito procurado em qualquer gama, a câmara, mas não o fez, ficando com algo banal onde podia realmente procurado imitar o LG G6.

É um dispositivo que, para o preço com que chega ao mercado, enche mais a vista do que as necessidades. Se bem que quem o comprar não sentirá grandes problemas nas utilizações mais genéricas.

No more articles