(Análise) Huawei Y6 2017 – Ainda há smartphones simples

Ecossistema81
Design76
Bateria88
Performance65
Botão extra para atalhos
Capa removível sem bateria removível
Preço desajustado com a concorrência
78

O foco no mercado dos smartphones hoje em dia é enorme, sendo que em qualquer lado encontramos noticias relacionadas com estes dispositivos, mas na maioria dos casos apenas vemos menção a dispositivos das gamas mais altas. No caso da Huawei, todos os dias ouvimos falar dos P10 ou dos Mate 10, ou das apostas futuras como o P20, mas e as outras gamas?

Nem toda a gente tem a possibilidade de pagar o preço das gamas mais altas, ou nem toda a gente tem o interesse no que essas gamas oferecem, para esses casos existem também opções sólidas, e a Huawei tenta oferecer uma com o seu Huawei Y6 2017.

Unboxing e Primeiras Impressões

Na sua simplicidade, percebemos logo à partida que é um dispositivo de gama baixa, pelo design pouco inovador, o corpo largo, o peso que se sente e os materiais usados. Mas nenhuma destas características é negativa no momento de fazer uso das tarefas a que se destinam um smartphone.

O Huawei Y6 2017 tem algumas características que saltam à vista, como a capa traseira que tem relevo – o que joga a seu favor, pois não escorrega tão facilmente quando o temos na mão ou pousado em alguma superfície, ao contrário de alguns dispositivos de 300/400€ com corpo em vidro e que escorregam em superfícies quase planas (Huawei P8…).

Outra característica é a presença de um botão extra do lado esquerdo, oposto aos habituais botões de áudio (+/-) e power. Este botão extra não é para activar o bixby como no Note8, mas sim para activar o Google e até para usar como atalho para duas aplicações à nossa escolha.

Um ponto negativo, é que o Huawei Y6 2017 não conta com a tradicional bandeja para os cartões. Temos de retirar a capa traseira para aceder aos leitores dos cartões, à moda antiga. O que seria aceitável, se isso também permitisse remover/alterar a bateria, mas esta está selada infelizmente…

Dia-a-dia

As especificações do Huawei Y6 2017 são relativamente modestas, adequadas à gama em que a companhia pretende inseri-lo. Contamos com 2GB de RAM para gerir o sistema e aplicações e 16GB para armazenamento interno, e um processador Mediatek MT6737T para operar todas as funções.

Isto é o mínimo para o dia-a-dia, ainda assim, se tivermos uma utilização mais pesada, e com diferentes aplicações abertas, vamos sentir algumas dificuldades no uso do dispositivo. O ideal é fecharmos sempre as aplicações sem uso. E evitar instalar aplicações desnecessárias, como o Facebook – que podemos facilmente aceder via o browser.

O ecrã é um painel IPS LCD de 5″, uma boa dimensão, acompanhado de uma resolução mínima standard de 720 x 1280. Não é FHD, mas a diferença é na realidade pouco notória em ecrãs desta dimensão. Temos um ecrã com cores fidedignas mas que por vezes parecem mortas, com pouca saturação, e em termos de brilho este por vezes demora a ajustar-se.

A bateria de 3.000mAh é suficiente para dia e meio de uso mediano e ajustado às características do dispositivo. Infelizmente ainda contamos com uma porta microUSB para carregar o dispositivo, por outro lado, podemos fazer uso dos cabos a mais microUSB que temos perdidos por casa.

A nível de câmaras, não e destaca em relação à concorrência. Com 13MP no sensor principal, com flash dual-LED e 5MP no sensor secundário, com flash LED.

A câmara frontal é capaz de captar imagens com nitidez a cima da média para a gama, contando também com um alcance dinâmico decente, mesmo em ambientes escuros.

Quanto ao sensor principal com 13MP, temos imagens de qualidade mediocre, mas suficiente para os ecrãs dos smartphones, já que em ecrãs maiores notaremos facilmente os problemas da imagem, como pixelização, partes claras com muita exposição e falta de nitidez bem como as cores com pouca vida.

GALERIA DE IMAGENS

A Huawei já provou saber fazer câmaras capazes nos seus smartphones, mas continua a reservar isso para os seus flagship, como as diferentes marcas no geral fazem.

Em vídeo o Huawei Y6 consegue gravar 30fps a 1080p, com uma qualidade decente e boa correcção de exposição, mas o autofocus por vezes demora a ajustar-se, sendo necessária a nossa intervenção.

Quanto ao software do dispositivo, este chega com o EMUI 4.1 com base no Android 6.0, e não deverá contar com upgrade para algo mais recente, nem 7 nem 8.

Para quem gosta de números, deixo-vos com os resultados dos benchmarks corridos, Geekbench e Antutu:

Huawei Y6 2017 em suma…

O maior ponto negativo do dispositivo é o preço, que surge no mercado nacional a 159€ em diferentes lojas. Fora alguma promoção, é um preço onde a concorrência acaba por ganhar. O ponto a favor, neste preço, é a presença e confiança da marca Huawei no mercado nacional, onde os principais concorrentes falham, como a Xiaomi e Ulefone, por exemplo.

Nutella Man