Cities Skylines Review
Cities Skylines Review

Review Cities Skylines – construir é de novo divertido

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

Depois de 11 anos de espera e muitos desastres pelo caminho, chega-nos finalmente o jogo que muito provavelmente salvou o género city builder  – Cities Skylines.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]Das saudades que tinha de Sim City 4, e depois do desastre que foi Sim City 2013, já não tinha grande confiança neste estilo de jogo. No entanto, a Paradox Entertainment decidiu dar mais uma tentativa a um género que, para alguns, até já é desconhecida nos dias de hoje – um jogo em que o objectivo é construir coisas, e não é preciso disparar ou explodir nada para lá chegar. A questão é, principalmente para os fãs do grande jogo de estratégia que foi Sim City 4, se este novo titulo, Cities Skylines, chega para nos fazer voltar a pegar no capacete e ser Mayors de uma grande cidade. Pelo que joguei, a resposta não é um grande SIM.

Cities Skylines melhorou em tudo em relação aos seus antecessores, percebendo exactamente o que a comunidade queria e dando em praticamente todos os aspectos. Apesar de não ser perfeito, o core no jogo, que o permite jogar fácil e fluidamente, é provavelmente o melhor alguma vez feito para o estilo. Adicionando a isso uma boa combinação entre o que podíamos fazer no Sim City 4 e 2013, com tutoriais, progressão ao estilo RPG de cidades, desbloqueáveis, mods, exploração de recursos, e muitas outras coisas, temos um jogo que foi feito para os sim city lovers.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

Vou começar por comparar este com os anteriores Sim Cities, e no final dar um balanço final.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

Cities Skylines vs Sim City 2013

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/2″][vc_column_text]Bom, para começar, Cities Skylines consegue ser jogado, o que, tendo em conta os primeiros tempos de vida de Sim City 2013, já é um bom salto em frente, pois pagar 40 euros por algo e não passar do menu iniciar nunca possibilita grandes esperanças de chegar longe. Segundo, ao contrário do outro, que preferiu ir para áreas pequenas em que se pude-se andar a comunicar entre cidades e criar uma comunidade, e acabou por não conseguir nem uma coisa nem outra, com áreas demasiado pequenas mesmo em modo offline e sem hipótese de expandir, Cities Skylines acertou 2 por 2. Com uma já razoável área inicial, mas que pode ser expandida até 9x o tamanho inicial (25x usando mods), espaço é coisa que não falta. Esta compra de terrenos é também uma boa novidade, pois adiciona aquele nível estratégico de “expandir vs evoluir”.[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/2″][vc_single_image image=”4230″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]A nível de estradas e construção, ouve também uma melhoria em quase todos os aspectos. Apesar de S.C. 2013 ter um bom sistema de construção, evoluir era uma enorme dor de cabeça, pois, quando chegava à altura, era necessário evoluir as estradas bloco a bloco, o que, numa cidade com 50 quarteirões, podia levar mais de 20 minutos de trabalho, coisa que poucos faziam, preferindo premir o botão exit. Cities Skylines removeu tudo isso, adicionando um ambiente fácil de usar e construir, ao mesmo tempo que mantém as raízes intactas, para que os fãs não precisem de voltar a ler os tutoriais mais básicos para entender o que fazer. Uma coisa que não consegui entender, no entanto, foi ser necessário construir tudo ao lado de estradas, não dando sequer a possibilidade de construir primeiro o edifício. Apesar de ter lógica, ter de planear onde a estrada irá tendo em conta o tamanho do edifício que ainda não colocamos, para ele depois não caber e nos obrigar a repetir tudo, conseguiu ser bastante frustrante, e teria preferido que não existisse de todo, pois remove liberdade de construção.

Para além disso, o jogo retira de Sim City 2013 a capacidade para explorar recursos naturais. Petróleo, agricultura, etc., podem ser explorados para tentar aumentar o income e nos permitir comprar aquela central que nós tanto queremos para a nossa cidade(cuidado com a poluição). O jogo aqui melhora tanto ao nível de S.C. 2013, que complicou tanto a exploração que precisei de vários fóruns para perceber como funcionava, mesmo assim sem grande êxito, e que o Sim City 4, pois, com apenas dois níveis de industrial complex separados por districts, torna tudo muito mais fácil.

A única coisa em que S.C. 2013 superou Skylines foi nos recursos individuais. Gostava que tivesse sido possivel gerir um pouco melhor os recursos de cada edifício. Houve uma altura em que havia muitos mortos na cidade, mas eu tinha o cemitério livre com os carros funerários a trabalhar 24/7. Não podendo pedir mais, a minha única hipótese foi ficar com 4 cemitérios vazios ao lado uns dos outros, só para aumentar o numero de veículos de serviço.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

Cities Skylines vs Sim City 4

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/2″][vc_column_text]A melhor coisa que Cities Skylines conseguiu em relação ao seu antecessor de 11 anos, foi a dificuldade. Em termos de inicio é muito mais fácil. Agora, em vez de obrigar a construir tudo no inicio, ou não dizer absolutamente nada do que fazer, Skylines vai desbloqueando devagar. Começamos por estradas, energia e água, depois médicos, bombeiros, policias, depois escolas, …. tudo isso permite que a construção siga em paralelo com o dinheiro que recebemos de impostos, fazendo dele um jogo bem mais fácil.

Apesar de parecer pouco, isto é uma diferença massiva – em todas as minhas tentativas, raramente gastava mais de 1 hora numa cidade, antes de me render e a ver afogar-se no orçamento, e passadas uma ou duas, a motivação desaparecia e encerrava o jogo. Neste, gastei 8 horas só com a minha primeira cidade e, apesar de os problemas terem sido muitos, não só consegui chegar muito mais longe, como assim que acabei a primeira, já tinha vontade de ir começar a segunda. Nesse aspecto, o jogo acerta completamente no alvo – não é fácil demais, e ainda é necessário saber gerir bem os negócios, mas não é preciso saber economia avançada e saber de cor o que construir no inicio para conseguir ter mais de 100 pessoas.[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/2″][vc_single_image image=”4229″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

Para aqueles que procuram a brutal dificuldade que era Sim City 4, existe hardcore mode.

[/vc_column_text][vc_column_text]Como dito acima, ao invés de nos dar tudo no inicio, Cities Skylines vai desbloqueando o conteúdo a colocar numa cidade aos poucos, permitindo muito mais facilmente gerir os recursos. Aliado a isso está um excelente tutorial, perfeito para iniciados mas facilmente ultrapassável para os veteranos do género. No entanto, mesmo eles precisam de ler algumas coisas nas primeiras cidades, pois coisas novas como o district system policies, estão presentes. O importante é o facto de o jogo ser muito convidativo, tanto para noobs como para pros, com bons textos tutoriais, que não são nem pequenos (pouca informação) demais, nem grandes (torna-se aborrecido) demais, que fazem começar neste jogo não custar quase nada. Para evoluir é preciso saber gerir, mas isso é com todas as cidades do planeta.

A nível de conteúdo, ambos estão praticamente ao mesmo nível e, tendo em conta a quantidade de horas necessárias para construir uma cidade de tamanho considerável, o conteúdo deste jogo é bastante notável – vários tipos de estradas, transportes, para além dos típicos hospitais, policia, bombeiros, energia etc., não é uma coisa incrível, mas acredito que tenha a quantidade certa (demais e uma pessoa pode começar a perder-se e já não saber o que é o quê). Aliado a isso, o mapa de Cities Skylines parece estar muito mais vivo do que o 4 alguma vez foi capaz – uma enorme variedade de modelos de fábricas, casas, centros comercias, pessoas a passear, transito, poluição, hora de ponta, a capacidade já do 4 de podermos ver Sims individuais e como se sentem na nossa cidade, barcos no porto, comboios, o mundo de Cities Skylines está verdadeiramente vivo, e é sempre tão agradável quando fazemos zoom na nossa cidade e vemos todas as pequenas coisas que, há distancia, nunca reparamos. A única coisa que gostava de ter visto era um ciclo dia-noite, pois um mapa sempre de dia tira um bocado a imersão.

Para completar o conteúdo, no entanto, a Paradox já prometeu DLC’s de tamanho considerável, deixando os mais pequenos na free content section e, tendo em conta que, 1 semana depois, já existem 13 mil mods, mapas e outras modificações para o jogo na steam comunity, conteúdo é coisa que nunca há-de faltar a este jogo[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

Geral

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]A nível de jogabilidade, Cities Skylines pode gabar-se de ser o melhor do género. Simples, intuitivo, fácil de construir, evoluir, demolir…,  praticamente tudo está ao nosso alcance, e os arranha-céus são o limite. Apenas para algumas excepções extremas, nunca ficamos com vontade de mandar o rato contra a parede. Juntando a isso temos também um menu que diz tudo o que se passa, uma interface fácil de ler no mapa, para além de mostrar em tempo real o consumo/produção de um dado produto, criminalidade, probabilidade de incêndio, etc. Apenas teria desejado poder ler economia em paralelo com consumo, de modo a poder consumir apenas o estritamente necessário. O importante é:[/vc_column_text][vc_column_text]

core do jogo, as mecânicas e o sistema de construção, estão quase perfeitos, e tirando umas pequenas curvas ou locais que nos poderão dar dor de cabeça, o sistema de informação, construção, gestão, é provavelmente o melhor alguma vez feito em qualquer city builder.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

Quais são as novidades?

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/2″][vc_column_text]Mas para além de tudo isso, o jogou também adicionou muitas coisas novas, algumas delas os fãs esperavam à anos para ver.

Caso não queiramos preocupar-nos com moedinhas e juros, apenas construir ou experimentar alguma coisa, ou já estejamos fartos de evoluir segundo as normas do jogo e preferimos algo mais à nossa maneira, o jogo vem equipado com dois cheats -> Unlimited money e Everything unlocked, que são bastante evidentes. Para além disso, como dito acima, o jogo está ligado directamente à steam comunity, permitindo a fácil publicação de mods para todos puderem partilhar.

Juntando aos cheats temos também saves, mods, direct download, harcore mode, o jogo até vem com um map e content editor, para podermos editar os modelos ou mapas que já existem no jogo, tudo ligado à steam comunity e facilmente partilhado. Até têm um menu no inicio da cidade que nos pergunta se queremos tráfego pela esquerda.[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/2″][vc_single_image image=”4235″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column][vc_column][vc_column_text][/vc_column_text][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

O jogo até vem com um map e content editor, para podermos editar os modelos ou mapas que já existem no jogo.

[/vc_column_text][vc_column_text]Para além disso, Cities Skylines adicionou também um district system, que aumenta os níveis de estratégia no que já era um bom jogo no inicio, dando-nos a hipótese de explorar petróleo ou madeira sem ter de andar a procurar no menu durante 10 minutos, construir uma cidade mais segura a custo do budget de smoke detectors, criar comunidades com impostos mais baixos numa tentativa de evoluir mais depressa, as hipóteses são infinitas, e o sistema é muito bem-vindo. Juntando a isso o sistema de compras de terreno falado acima, e este jogo prova como não bastou melhorar, também teve de inovar.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

As pequenas coisas

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/6″][vc_single_image image=”4236″ border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self”][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vc_column_text]Depois existem todas as pequenas coisas – poder criar parques, as noticias, boas ou más aparecerem com ícones por cima no formato twitter, podermos seguir alguns Sims, analisar o estado de cada casa, se quisermos ver a qualidade de vida, os ícones de falta de coisas serem agradáveis ao olhar e o ambiente em si ser tão colorido e bom de ver (uma coisa que não gostava muito no S.C. 4 era o mapa e os edifícios parecerem sempre tão escuros e cinzentos). Junto com a enorme quantidade de coisas a correr no plano de fundo e boas animações, e Cities Skylines é bom até quando completamos a nossa cidade de sonho e passamos mais tempo do que devíamos a olhar para ela, dando aquela boa sensação de “Sim, eu fiz isto!”[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/6″][vc_single_image image=”4233″ border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

Performance

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”5/6″][vc_column_text]Desde o inicio não se espera nenhuma Titan para correr este jogo, tendo em conta que City Builders nunca pediram muito nessa área. No entanto, até aqui Cities Skylines funciona, pois até nos momentos em que já tinha uma boa quantidade de coisas no mapa, ou queria fazer uma vista panorâmica da cidade, não importava o que eu atirava à minha gráfica (GTX560 Ti) ou processador (Intel I7-2600), os frames sempre se recusaram a descer.

Em termos de crashes, nenhum relevante a assinalar, a não ser 2 estranhos que aconteceram quando ele fazia o loading inicial para o mapa. No entanto, isso apenas aconteceu com o game recorder ligado, portanto em sessões normais de jogo não deve haver quaisquer problemas.[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/6″][vc_single_image image=”4234″ border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

Aspetos negativos

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]Tirando alguma falta de conteúdo que alguém possa sentir (agora), e que pode facilmente ser resolvida , Cities Skylines está praticamente limpo. Os problemas existem, mas nenhum deles alguma vez nos afecta a experiência no geral. A única coisa de que sinto verdadeiramente falta é a capacidade de causar acidentes como o Vulcão ou Alien do Sim City 4 ou o hilariante Zombie Apocalypse do 2013.

Também a assinalar algum desequilibro nalguns statspower, health e fire parecem sempre emergências, mas crime ou happiness quase me esqueço que lá estão, ás vezes. Para além disso, não pude deixar de sentir que todo o investimento em edifícios grandes nunca valia muito a pena, devido à sua área de efeito reduzida, e mais valia construir muitos pequenos e espalhados. Também o risco precisa de ser um pouco balanceado – consegui ter criminalidade a 10% com uma esquadra, mas mesmo com 4 quartéis de bombeiros, o risco de incêndio nunca desceu abaixo dos 40%.

No entanto, todos os negativos do jogo podem ser resolvidos facilmente com conteúdo extra, mods ou pequenos tweeks. O core está intacto, sólido, e funciona na perfeição (o que por si só é um feito, tendo em conta a enorme quantidade de jogos que, no lançamento, estão inacabados ao ponto de injogável nos dias de hoje).[/vc_column_text][vc_column_text][/vc_column_text][/vc_column][vc_column][vc_single_image image=”4237″ border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” alignment=”center” img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_text_separator title=”Final” title_align=”separator_align_center” align=”align_center” color=”black” border_width=”2″][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]Este é um verdadeiro comunity game, um jogo que prova como alguns developers se preocupam verdadeiramente com o que os jogadores querem, e oferecem exactamente o que muitos estavam a pedir à anos. Sendo um desses, resta-me agradecer à Paradox, não só por darem um jogo com tantas das coisas que queríamos num city builder, como por terem salvo o género, com um jogo de nível que não via desde de 2004.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text css_animation=”left-to-right”]

Now, if you dont mind, im the Mayor, and my people need me.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]