[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]Ant-Man chega ao grande ecrã. Mas será que este heroi de 2 centímetros de altura consegue igualar um capitão com um escudo, um homem de ferro, ou qualquer uma da competição?

Apesar de não ser sólido, na minha opinião, é um divertido e muito bem passado sim.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_single_image image=”6302″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

Introdução

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”5/6″][vc_column_text]Este é um daqueles filmes que não é fácil dizer se é muito bom ou não, pois pode variar muito de pessoa para pessoa. Isto devido ao facto de usar clichês que todos já vimos em tantos filmes, e que muita gente pode ficar rapidamente farta, mas ao mesmo tempo fazê-lo tão bem que não conseguimos encontrar razão para dizer mal. “if it ain’t broke, don’t break it” e parece-me que aqui o exemplo foi usado à letra. Infelizmente neste, apesar de fazer tanta coisa bem, querer fazê-lo em somente duas horas foi pedir um pouco demais.

Deixo também aqui ao lado um botão para acesso a musica de fundo que, apesar de o soundtrack deste filme não ser nada que vá ficar na memória, tem o seu próprio gosto e fica bem a acompanhar a review.[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/6″][vc_button title=”Music” target=”_blank” color=”btn-inverse” icon=”wpb_play” size=”btn-large” href=”https://www.youtube.com/watch?v=O_5NwVy8L5M&ab_channel=ChristopheBeck”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/2″][vc_video link=”https://www.youtube.com/watch?v=pWdKf3MneyI&ab_channel=MarvelEntertainment”][/vc_column][vc_column width=”1/2″][vc_video link=”https://www.youtube.com/watch?v=1HpZevFifuo&ab_channel=DerRaizer”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

História

[/vc_column_text][vc_column_text]Neste momento, uma receita já está pré-definida para este tipo de filmes, onde conhecemos um novo super-herói.[/vc_column_text][vc_row_inner][vc_column_inner width=”1/2″][vc_column_text]
  1. Conhecer o homem por trás da máscara e quem ele é de facto.
  2. De alguma maneira ficar envolvido com algo que lhe dá poderes e faz dele alguém diferente, ao mesmo tempo que conhece os sidekicks.
  3. Treinar e começar a entender esta sua nova parte, com algum crime fighting lá no meio.
  4. Um súbito acontecimento por parte do vilão dá-lhe uma raiva e motivação enorme para o combater, onde o vilão ganha o primeiro round.
  5. Batalha final.

A receita está lá, não há a mais pequena duvida sobre isso. E no entanto, apesar de algo previsível, eu não consigo maneira de dizer mal da história, pelo menos no sentido em que estrague o filme, levando à primeira contradição. Sim, aplica esta receita, mas ao mesmo tempo tem, vou dizer, os seus próprios ingredientes secretos, que dão, em conjunto com a previsibilidade, um sabor próprio carregado de comédia e alguma inovação interessante.[/vc_column_text][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/2″][vc_single_image image=”6298″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”large”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_column_text]Para começar, conhecemos o nosso herói, Scott Lang, interpretado por Paul Rudd, um ladrão de topo, que está agora a sair da prisão por roubo agravado, e espera corrigir a sua vida para poder estar mais tempo com a sua filha.

Logo após cinco minutos, conhecemos o primeiro grupo de Sidekicks deste filme, que não conseguem ser mais estereotipados: temos então, the Latino, The Russian, The Black Guy, triple check.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/3″][vc_single_image image=”6307″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column][vc_column width=”1/3″][vc_single_image image=”6304″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column][vc_column width=”1/3″][vc_single_image image=”6317″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]e, no entanto, são algumas das melhores personagens de todo o filme, pois não acho que tenha havido uma única cena em que eles tenham entrado e eu não me tenha rido.

Se existe uma coisa bem feita, são os momentos de comédia. Devido aos três senhores acima, e também com uma boa ajuda do protagonista, houveram muitas alturas de excelente humor, que me fizeram a mim e a toda a sala de cinema rir bastante alto. E o melhor é que não estamos a falar de comédia forçada, mas sim de situações em que os heróis se metem e conseguem resolver/responder de uma maneira que tornou todo o filme mesmo muito divertido de ver.

Logo depois temos o segundo ponto da história, coisa que gostava de explicar e dizer como gostei, mas não consigo fazê-lo sem spoilers, portanto fico-me por – apesar de conseguirmos perceber o caminho que o filme segue nessa altura, a maneira como o protagonista sente os seus poderes pela primeira vez, ao mesmo tempo que recebe indicações do criador do fato,  está bastante bem pensada, e é muito diferente do típico construir o fato de Iron Man, ou o sumo de uva com corante azul por veia do Captain America.

Continuando para a parte do criador, somos apresentados à dupla que criou o fato do Ant-Man, Hank Pym, interpretado por Michael Douglas, e a sua filha, com Evangeline Lilly no papel. Eles pedem a Scott que se transforme no Ant-Man, numa tentativa de roubar o fato de Darren Cross (Corey Stoll), que contem a mesma tecnologia, mas que este pretende vender ao exército dos Estados Unidos (ok, não é exactamente o exército, mas sim uma surpresa bem mais interessante).[/vc_column_text][vc_row_inner][vc_column_inner width=”1/3″][vc_single_image image=”6306″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/3″][vc_single_image image=”6305″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/3″][vc_single_image image=”6303″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_column_text]A partir daqui, todo o filme tem muitos momentos altos – as cenas de treino, o roubo, ficar a conhecer melhor as personagens e a as suas histórias, as batalhas, etc.

Uma nota importante também a reter aqui é a female character – longe to típico damsel in distress, temos uma personagem interessante, forte, independente, e que eu mal posso esperar por ver no próximo filme – e o momento em que Darren tira algo a Scott, o que faz este ultimo “ir de cabeça” para a batalha final, mas que, mesmo para probabilidades de Hollywood, eu vou dizer “bulls**it”.

O importante é que a história é algo previsível e às vezes anda depressa demais para ser admirada, mas como já disse em várias das minhas reviews, uma pessoa nunca se importa, desde que as personagens sejam interessantes, complexas e divertidas e, para um primeiro filme, este fez um excelente trabalho nesse departamento. Quase todas elas têm a sua própria personalidade, e todas contribuem para o plot de uma maneira ou de outra. O único ponto fraco aqui é o vilão que, apesar de mostrar promessa, o tempo em cena apenas permite que, no fim, as razões que o levem a fazer o que faz sejam “because he’s insane”.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

Efeitos Especiais

[/vc_column_text][vc_row_inner][vc_column_inner width=”1/4″][vc_single_image image=”6311″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”large”][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”3/4″][vc_column_text]Dois dos pontos mais altos do filme.

Ao estarmos a lidar com batalhas a nível de que atirar uma moeda de 10 cêntimos pode-se transformar numa coisa badass, o filme consegue fazer-nos, de uma excelente maneira, sentir qual é a sensação de medir 2 centímetros de altura, tanto pelos efeitos especiais, como pelos excelentes planos de câmara e edição.

De quase todas as alturas em que Scott prime o botão de encolher, o filme ganha um mundo novo, e é espectacular de ver. Cenas como o atravessar da porta, ficar a conhecer melhor as suas novas aliadas, a primeira tentativa e o primeiro teste verdadeiro dos seus poderes(que me pôs um enorme sorriso nos lábios, ao aparecer uma personagem que aqui não irei spoiler), a infiltração, todas elas nos puxam para aquela escala e são muito interessantes de ver. Tudo isto é suportado por excelentes efeitos especiais, que dão verdadeira vida e recheio às lutas e aos cenários a esta escala (achei as formigas deste filme bem melhores que os dinossauros do Jurassic World, conseguindo fazer-nos até criar um laço com elas). Uma nota especial para a batalha final que, com um excelente editing e, de novo, efeitos especiais, consegue criar algo único, interessante e vivificante. Juntando a essa parte algumas das melhoras piadas do filme, e essa é uma cena que não me irei esquecer tão cedo, não só pelo realismo como pelo conteúdo.[/vc_column_text][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_column_text]Um parabéns também para o guarda-roupa, pois os fatos do Ant-Man e especialmente do vilão (vêm, teve tanto tempo de emissão que já não me lembro do nome dele outra vez), o burglar suit do Scott, o extra depois dos créditos, estão verdadeiramente impressionantes.[/vc_column_text][vc_row_inner][vc_column_inner width=”1/2″][vc_single_image image=”6310″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”large”][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/2″][vc_single_image image=”6302″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”large”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

Negativos

[/vc_column_text][vc_row_inner][vc_column_inner width=”1/2″][vc_column_text]Uma das coisas que mais afectam mesmo este filme de subir acima dos muitos outros é o pacing, ou seja, a velocidade com que alguns momentos ocorrem ser simplesmente demasiado rápida para poderem ser apreciados. Todas as peças estão lá e, apesar de algumas delas, na minha opinião, estarem algo fora do sitio, como a cena de reconciliação entre pai e filha (que também acontece demasiado rápido), todas elas são interessantes, divertidas, e contribuem de uma maneira ou de outra para um excelente filme.[/vc_column_text][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/2″][vc_single_image image=”6325″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”medium”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

 Conclusão

[/vc_column_text][vc_column_text]A única coisa que não mo faz recomendar a 100% e considerá-lo um excelente filme é algumas pessoas poderem sair de lá a sentir que algo ficou a faltar. Clichês estão lá, mas como já tinha dito, acho que o filme consegue resolver esse problema colocando a sua própria inovação e humor.

Tem todo o conteúdo de um bom filme: boas personagens, bons efeitos especiais, excelentes cenas de ação e humor. A única coisa que o impede de ir mais além é a velocidade com que algumas coisas acontecem. No entanto, se são fãs de super-heróis ou estão a procura de um bom filme de acção ou até mesmo só para descontrair, então é sem duvida uma boa escolha.

Até lá, Ant-Man despede-se com um “see you next year” (sim, leram bem, no próximo ano).[/vc_column_text][vc_single_image image=”6315″ alignment=”center” border_color=”grey” img_link_large=”” img_link_target=”_self” img_size=”full”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][/vc_column][/vc_row]

História70%
Acção80%
Efeitos Especiais85%
Personagens-Actores75%
Entretem80%
Reader Rating 1 Vote
100%