Poucos são os jogos que nos fazem pensar e viver tão intensamente uma história como os Final Fantasy. Cada mundo, cada personagem, cada história é única e marca-nos para sempre. Final Fantasy XV: Kingsglaive é uma excelente introdução para o jogo que será lançado dentro de poucos dias, e um filme que todos os jogadores deveriam ver.

Em Kingsglaive vemos como o reino de Lucis se defende do império de Niflheim, seus inimigos eternos que desejam o poder do cristal, o qual protege o reino contra possíveis ataques e lhes permite utilizar magia.

O protagonista deste filme é Nyx Ulric, um membro da Kingsglaive, uma ordem especial capaz de utilizar a magia outorgada ao Rei. A narrativa anda em volta de um tratado de paz entre os dois reinos e todas as personagens que estão a favor e contra.

A história é algo confusa e em nenhum momento ninguém explica porque estão em guerra, qual é a importância de Lunafreya, onde está Noctis e porque desejam tanto o poder de cristal e do anel. A resposta apenas a conheceremos no jogo. Os argumentistas quiseram deixar o espectador com mais perguntas do que respostas, e é por isso que em alguns casos chega a ser muito confusa.

Desde o principio que ficamos maravilhados pela qualidade gráfica. Em alguns momentos pensamos que os actores são reais: as expressões, os detalhes e os olhos… especialmente os olhos, assombram-nos, pois são das coisas mais difíceis de recriar digitalmente.

final-fantasy-xv-kingsglaive-nyx

No inicio do filme sabemos que o reino de Lucis é capaz de usar magia para se defender, mas também para lutar. Alguns dos seus guerreiros, como os Kingsglaive, podem lançar raios, fogo e teletransportar-se para onde for o seu punhal. Contudo, o império de Niflheim utiliza armas, máquinas e também demónios que destroem tudo por onde passam.

As batalhas são rápidas, mas bastante interessantes. Disparos, gente a voar, magia… o estilo mais puro de Final Fantasy num filme. Mas em algumas cenas notam-se falhas gráficas, borrões nos membros das personagens ou quebras na velocidade dos seus movimentos.

O som das explosões, dos passos e a banda sonora estão muito bem conseguidos e não nos deixam nem se quer pestanejar. A representação dos actores é espectacular e soarão familiares algumas das vozes: Aaron Paul (Jesse da série Breaking Bad) no papel de Nyx; Sean Bean (Ned Stark de Game of Thrones) como King Regis; e ainda Lena Headey (Cersei de Game of Thrones) como Lunafreya.

Apesar dos gráficos fantásticos e da banda sonora excelente, a história é um caos. Por isso, quem não pensa jogar o jogo, não deve ver o filme. Mas se quiserem conhecer um pouco mais do mundo onde se desenvolve o jogo e o seu argumento, para decidirem se o compram, talvez seja uma boa opção ver o filme. É um filme com um objetivo apenas, introduzir os jogadores ao mundo de Eos e aos acontecimentos que ocorrem neste antes de jogarmos com Noctis.

Na NewEsc estamos bastante entusiasmados com o jogo, por isso esta introdução pareceu-nos espectacular. Agora sabemos porque Noctis está fugido e a razão pela qual é tão importante encontrar-se com Lunafreya. Contudo, ainda resta muitas perguntas sem resposta, que esperamos ver respondidas no jogo da melhor forma possivel!