A Nintendo Switch é sem margem de dúvidas aquilo que todos os fãs de video jogos esperam neste momento, fãs ou não do que a Nintendo tem feito ao longo das décadas, todos temos pelo menos um cantinho no coração para a obra e personagens da companhia nipónica.

Ora, recentemente falou-se que a doca da Nintendo Switch serviria como uma forma de aumentar a performance desta, mas quanta seria a diferença se calhar era uma boa questão. Fala-se numa diferença de 40% de performance quando removemos a consola da sua doca. Parece ainda um bom pedaço, mas é algo plausivel tendo em conta que deixamos de estar ligados directamente à corrente e passamos a viver da bateria…que deve durar o mais possível.

nintendo switch

Como sabemos, a consola vem equipada com o chip Tegra X1 da Nvidia. Este, quando a consola está ligado à doca, atinge os 768mhz segundo a DigitalFoundry, quando supostamente o Tegra X1 conta com a frequência normal de 1Ghz. Ao tirar a Switch da sua doca, a velocidade do chip desce cerca de 307,2mhz, para algo como 460,8mhz, ou seja, perde os tais 40% de performance.

Ora, as razões para tal prendem-se com o facto de, na doca, a Nintendo Switch é alimentada directamente por USB-C e precisa de capacidade suficiente para alimentar com qualidade uma resolução de 1080p, sendo que ao ligar na doca é ativada uma pequena ventoinha para ajudar a manter as temperaturas em valores aceitáveis.

Quando a usamos em modo portátil, retirada da doca, apenas temos a bateria, e o ecrã da Switch conta com uma resolução inferior, sendo que também a ventoinha estará desativada. Assim, em modo portátil, a exigência sobre o chip será menor e por outro lado é necessário garantir uma certa autonomia da bateria incorporada na consola.

Reduzir a capacidade do chip de 1Ghz para 768mhz permite ainda aos criadores da consola e jogos garantir uma maior fluidez do sistema, com menos temperaturas e instabilidade.

Contudo, caso se venha a confirmar, temos um equipamento capado à partida…